Conheça a exótica Purmamarca, no Norte argentino

N°.20180111

Por: Gabriela Olegário

Ao fundo, o Cerro de los Siete Colores

GABRIELA OLEGÁRIO
Enviada a Purmamarca, Província de Jujuy/Argentina

A Província de Jujuy, situada no Norte da Argentina, se apresenta como uma nova alternativa turística ao turista brasileiro, caracterizada pelas paisagens montanhosas e pela riqueza cultural e histórica. Você já ouviu falar das montanhas coloridas de Purmamarca?

No último sábado, dia 6 de janeiro, participei do primeiro voo direto da Aerolíneas Argentinas, partindo do Aeroporto Internacional de Guarulhos (SP) até o Aeroporto Internacional Gobernador Horacio Guzmán, em San Salvador de Jujuy, a capital provincial. A operação ocorre neste mês e em fevereiro, junto com um pool de operadoras.

Jujuy é dividida em quatro regiões muito diferentes para se explorar: La Puna, Los Valles, Las Yungas e Las Quebrada de Humahuaca. Passei o dia conhecendo Purmamarca, uma vila muito charmosa que fica a uma hora do aeroporto internacional, localizada na Quebrada de Humahuaca, eleita Patrimônio Mundial da Humanidade desde 2003 pela Unesco. É la que está o famoso Cerro de los Siete Colores.

O artesanato é um dos destaques do Norte da Argentina

As lojinhas que ficam no centro de Purmamarca

A paisagem em volta da estrada é incrível!

A Província de Jujuy faz fronteira com Chile e Bolívia. É fácil para estender a viagem para estes outros países da América do Sul. Eu, particularmente, conhecia muito pouco sobre o Norte da Argentina, destino que tem muito para ser explorado turisticamente. As estradas em Jujuy são tranquilas, e a paisagem ao redor é encantadora.

INFLUÊNCIAS DOS PAÍSES VIZINHOS
Jujuy é a Província que mais possui população indígena e a mais diversificada da Argentina. É possível observar isto na cultura viva e na arquitetura própria do local. Em cada cantinho da região de Purmamarca há algo diferente para ver, como os cactos, as cores das montanhas e o artesanato, vendido no mercado local, na praça principal – o ponto forte da cidade. Há várias lojinhas que vendem bolsas, panelas de barro, enfeites, lhamas de pano, roupas, tapetes e muito mais.

O interior de uma das lojas

Detalhes dos artesanatos

Em Jujuy há também o Parque Nacional Calilegua: a maior reserva natural de biodiversidade da Argentina, com diversos animais característicos da região, como a jaguatirica, que está estampada nas notas de 500 pesos argentinos.

DICAS
O clima da região é ameno. De dezembro a janeiro é bem quente durante o dia, mas o vento é gelado, e dá uma “cortada” na sensação de calor. Leve protetor solar, chapéu e óculos de sol para se proteger, e não esqueça do agasalho para usar a noite: a temperatura começa a abaixar depois das 17h e faz muito frio.

Ah! Mais uma coisa: as ruas da vila não são pavimentadas. Leve um tênis confortável para andar por lá.

CARNAVAL ARGENTINO
Em Jujuy, no mês de fevereiro, acontece uma grande festa carnavalesca, que não é parecida com o carnaval brasileiro. As pessoas são protagonistas, elas organizam o evento e buscam destacar o sentimento familiar. É como se fosse um tipo de festa junina do Brasil, digamos assim.

A linguiça de lhama e os queijos de cabra, típicos da região

As montanhas fazem parte da paisagem em todos os lados

PRATOS TÍPICOS
Os pratos são bem temperados e com pimenta. São famosas as carnes de lhamas, as empanadas de carne, frango ou queijo de cabra; o prato locro, que é tipo uma sopa de farinha de milho com carne seca; e o arroz com molho de frango e batata.

A bebida chicha é muito famosa na região. Preparada para festas importantes – como o carnaval argentino –, é feita com farinha de milho e cereais, fermentado com água. Há também a bebida saratoga, composta de vinho branco e suco.

Em Jujuy, provei a folha de coca. Os nativos falam que é um método muito utilizado para amenizar a sensação da altitude (que é de  1.259 metros, muito alto se compararmos com São Paulo, que é de 760 metros), e a falta de oxigênio, ajudando a te manter mais esperto e com energia para explorar a região e os morros.

Uma das pousadas em Purmamarca

A paisagem vista do Hotel El Manantial del Silencio

Na cidade há pousadas, hotéis, hostels e campings, para aqueles que querem ter um contato maior com a natureza.

O destino que visitei é muito encantador, os nativos são muito receptivos e a região é cercada por uma natureza única, fugindo do comum, e está próximo do Brasil –  cerca de três horas de avião. Recomendo que você passe uma semana no Norte argentino para conhecer e explorar tudo com calma.

Se você se animou e está planejando visitar Jujuy, confira os pacotes nas seguintes operadoras: Ancoradouro – www.ancoradourooperadora.com.br; Ambiental – www.ambiental.tur.br; Agaxtur – www.agaxturviagens.com.br; BWT – www.bwtoperadora.com.br; Flytour – www.flytour.com.br; Interpoint – www.interpoint.com.br; New Age – www.newage.tur.br; Soultraveler – www.soultraveler.com.br; TGK – www.tgkturismo.com.br; Uneworld – www.uneworld.com.br; Venturas – www.venturas.com.br; e Visual – www.visualturismo.com.br.

O site da companhia aérea é o www.aerolineas.com.ar.

Para saber mais sobre o destino, acesse www.turismo.jujuy.gov.ar.

TurismoEtc viajou a convite da Aerolíneas Argentinas e do Ministério de Cultura e Turismo da Província de Jujuy, com seguro de viagem GTA

HRH All Inclusive interna
Avianca – Home

Assine nossa newsletter

Verifique os dados digitados no formulário